6 práticas recomendadas de treinamento em cibersegurança para pequenas e médias empresas
Home » Blog » Cibersegurança » 6 práticas recomendadas de treinamento em cibersegurança para pequenas e médias empresas

6 práticas recomendadas de treinamento em cibersegurança para pequenas e médias empresas

postado em: Cibersegurança

As pequenas e médias empresas funcionam com orçamentos apertados e nem sempre podem optar pela mais recente e melhor tecnologia de segurança cibernética.

Mas quando o assunto é segurança digital, uma abordagem importante é o treinamento de pessoal. Com os ataques de phishing aumentando e se tornando mais sofisticados e sem meios técnicos eficazes para evitá-los, educar os donos e funcionários de PMEs sobre as ameaças de segurança cibernética em potencial que eles enfrentam, reconhecer uma ameaça em tempo real e, por fim, combater a ameaça, parece a melhor forma de obter bons resultados.

Proprietários de pequenas e médias empresas e seus funcionários precisam de treinamento prático. Todos estão ocupados tentando manter a empresa funcionando. Mas as seguintes práticas a seguir podem ajudar bastante a conscientização em cibersegurança.

1 – O que é consciência de cibersegurança?

As pequenas e médias empresas podem saber quais riscos à segurança cibernética estão circulando – phishing, por exemplo – mas elas entendem por que esses riscos são ameaças para a organização? Elas sabem o que é necessário para reduzir o risco? É importante notar que aumentar a conscientização sobre a segurança é o objetivo. Comunicação, cultura e treinamento de segurança são diferentes tipos de métodos que podem ser usados para ajudar as PMEs a chegar lá.

Cada empresa deve decidir se desenvolve o treinamento internamente ou procura um consultor especializado para criar um programa de treinamento específico para as necessidades da empresa.

2 – Compreendendo percepção de uma PME sobre cibersegurança

Antes do início do treinamento, é importante medir e compreender as atitudes e comportamentos de todos os funcionários que usam equipamentos digitais conectados à Internet. Isso inclui o que eles fazem ou não para se manterem seguros e o que sabem e entendem sobre segurança cibernética.

3 – Evitar uma abordagem genérica

O conselho de segurança cibernética precisa ser eficaz, e é aqui que um consultor é valioso. Ninguém gosta de aulas que parecem irrelevantes ou genéricas demais. Com isso em mente, a maioria das PMEs se beneficiaria com conselhos sobre ameaças e vulnerabilidades específicas para seu setor ou organização.

Essa prática é onde vale a pena entender o conhecimento prévio de uma PME sobre segurança cibernética. A pessoa responsável pela avaliação abordará as questões, localizará as lacunas de conhecimento existentes e ajustará o treinamento para aumentar a conscientização.

4 – Não abra espaço para o medo

Um bom departamento de TI não usa o medo para aconselhar os usuários. Infelizmente, todos nós sabemos que o medo é um motivador poderoso e é usado com frequência; no entanto, o uso do medo impede a ação correta dos usuários que não querem ter problemas.

Há fortes evidências de que os apelos baseados no medo na comunicação de segurança cibernética podem ser contraproducentes e ineficazes para mudar o comportamento a longo prazo. Em vez disso, apelar para a confiança de uma pessoa em sua capacidade de praticar comportamentos seguros com sucesso é mais influente do que o medo e tem mais probabilidade de levar a mudanças de longo prazo.

5 – Crie um programa de treinamento contínuo e não intrusivo

Aprender sobre cibersegurança pode ser complexo, pois é necessário absorver muitas informações. A pessoa responsável pelo treinamento deve evitar sobrecarregar os funcionários com informações de que dificilmente se lembrarão.

O treinamento não deve ser um exercício isolado, mas uma atividade regular para ajudar a manter o nível de consciência dos funcionários. Pense em exercícios curtos e precisos para não interromper o trabalho principal ou criar fadiga de segurança.

Além disso, dar aos funcionários a capacidade de gerenciar seu tempo de treinamento ou método de aprendizagem preferido – por exemplo, texto ou vídeos – é uma consideração útil.

6 – Meça a eficácia do treinamento

Medir a eficácia do treinamento é uma peça importante do quebra-cabeça da cibersegurança. Isso permitirá comparações com avaliações iniciais para medir a eficácia do treinamento. Isso pode incluir autoavaliações, como questionários; ou observação de comportamento e monitoramento de conformidade.

Tão importante quanto medir a eficácia do treinamento, que é contínuo, deve ser garantir que as avaliações de segurança também estejam em andamento para ter uma linha de base precisa.

Por que o treinamento de conscientização de segurança é importante

O treinamento de conscientização sobre segurança capacitará os funcionários a se comportarem com mais segurança, mas apenas se a organização promover uma forte cultura de segurança cibernética, junto com práticas e ferramentas que os funcionários entendam e estejam dispostos a usar.

Sem todas essas coisas trabalhando em conjunto, uma PME corre o risco de fadiga de segurança, confusão e, em última análise, defesas mais fracas contra ameaças cibernéticas.

CLIQUE AQUI E DESCUBRA GRATUITAMENTE SE A SUA EMPRESA POSSUI FALHAS DE SEGURANÇA

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.